Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

longboard



Quinta-feira, 02.02.06

" TUBARÕES NA COSTA PORTUGUESA"

Ao contrário do que muita gente pensa, na costa portuguesa podem encontrar-se mais de 30 espécies de tubarões. Há 10 anos que são alvo de estudo, e ainda assim não existe legislação...

Chegam diariamente às várias lotas nacionais dezenas de barcos de pescadores carregados com carcaças de tubarões misturados com atuns, peixes-espada, espadartes e raias entre outros. E em várias destas lotas podem encontrar-se investigadores da Associação Portuguesa para o Estudo e Conservação de Elasmobrânquios (APECE associação dedicada ao estudo de tubarões e raias), e do Instituto de Investigação das Pescas e do Mar (IPIMAR), bem como estudantes de Biologia, que identificam, pesam, medem e vêm o sexo de toneladas de tubarões. Esta amostragem é apenas uma dos processos de obter informação sobre tubarões.

A maioria dos que chegam aos 3 principais portos nacionais de pesca (Sesimbra, Peniche e Viana do Castelo), são de profundidade e não são espécies alvo, vêm por acessório na pesca ao Peixe-espada e Espadarte, segundo Ivone Figueiredo, investigadora do IPIMAR. Para se ter uma ideia, em 2004 estima-se que tenham sido desembarcados cerca de 582,4 toneladas de tubarões e raias segundo a DGPA (Direcção Geral de Pesca e Aquicultura). Estas 2 espécies pertencem ao grupo dos elasmobrânquios, peixes cartilaginosos.

O Carocho, O Barroso, a Lixa, a Pata-Roxa, a Tintureira (Tubarão Azul) ou o Cação (muito usado no Alentejo para fazer a famosa Sopa de Cação), são algumas espécies mais pescadas em Portugal. E, à excepção destes 2 últimos, estas espécies movem-se a profundidades entre os 400 e os 1800 metros, longe do olhar dos mergulhadores, surfistas ou turistas.

shark2.jpg

Entre os que habitam mais à superfície, o Tubarão Branco é um dos mais temidos por causa do historial de ataques e embora raro, já foi visto em Portugal.

Em 1997 um tubarão branco de quase 5 metros foi capturado no Algarve, a 3 milhas de Armação de Pêra.

Esta espécie existente no Mar Mediterrânio, pode atingir os 8 metros de comprimento, tornou-se famosa até mesmo em Hollywood. Move-se tanto em águas superficiais como profundas, daí por vezes ser avistado nalguns pontos da nossa costa.

Uma espécie mais comum é a Tintureira, parente afastado do Golfinho, que aparece em 6º lugar nas espécies mais desembarcadas entre 1986 e 2001, segundo dados da APECE. Este Tubarão Azul alimenta-se principalmente de peixes e lulas e pode ser encontrado tanto no continente como nas ilhas.

E tal como as pessoas, também há tubarões vegetarianos. O Tubarão Frade pode ultrapassar os 10 metros, tem uma dieta à base de plancton (larvas e ovos de peixe), tendo sido visto na Madeira e mesmo no continente.

Os tubarões são espécies migratórias por natureza, o que dificulta saber o número de espécies diferentes em Portugal. Estima-se a existência de 32 espécies na nossa costa, na sua maioria de profundidade, reconhecidos em estudos de marcação ou pescados por embarcações. Ainda assim muitos, num país onde a crença geral é de que não há tubarões.

shark3.jpg

João Correia (um dos fundadores da APECE e um dos primeiros portugueses a fazer um mestrado dedicado ao estudo de tubarões), explica que “as pessoas nem imaginam, mas há muitos tubarões, só que são bichos de hábitos completamente diferentes daqueles que há nas Bahamas e noutros sitíos. Temos que chamar a atenção das crianças para o problema da pesca de tubarões, fazê-los gostar deles e mostrar que não são bichos assassinos que matam e comem tudo. A esmagadora maioria das vezes que há um encontro com uma pessoa, o tubarão foge 99% das vezes. Naturalmente que é sempre preciso ter cuidado, principalmente na presença de algumas espécies mais ferozes que podem atacar como forma de investigar a presa”.

Estes bichos que não deixam de ser peixes, muitas vezes negativamente retratados em vários filmes, andam aí ao largo. Não representam qualquer perigo para mergulhadores e banhistas. Portanto, a comunidade surfista não precisa de se alarmar e devem sim, respeitar os tubarões como parte integrante do Oceano.

Sem os tubarões, o Oceano estaria mais pobre, poluído e desiquilibrado. E é o Oceano que nos dá as ondas, não se esqueçam disso...

Fonte: “Reportagem à pesca de Tubarões” Revista Vega, Mar & Aventuras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por longboard às 10:29


2 comentários

De MT a 09.02.2006 às 10:08

Eu adoro tubarões, desde pequena, não sou bióloga mas desde o inicio da internet que recolho uma base de dados sobre todas as espécies conhecidas de tubarões, para além das miniaturas que vou colecionando. Muito me aprás saber que outros defendem a consciencialização da sociedade para o massacre feito(embora não premonitado), a várias espécies, através das redes de pesca.

De SaraMM a 03.02.2006 às 13:07

São eles, as cobras, etc... todos acham bem matá-los mas esquecem-se de que, antes de nós, já cá eles estavam...
e havemos de deixar de conseguir habitar o planeta que destruimos e eles ainda cá ficam... espero! é que nem sei como ainda há peixe nos oceanso... os biliões de toneladas que se tiram do mar todos os dias... é incrível! como peixe... mas faz-me muita confusão pensar nisso...
o homem destroi tudo!xiça!

beijinhos

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728